Doutrina

A escolha consciente pelo advogado de seu papel na mediação
Descrição

O advogado contemporâneo, diante dos avanços dos métodos alternativos de solução de conflito, necessita se atualizar e remodelar sua importância para cada uma das opções disponíveis. No que diz respeito ao contexto da mediação, o advogado pode assumir três papéis: (i) consultor/assessor; (ii) parte; e (iii) mediador. Diante dessas opções, a escolha deve ser consciente em relação aos direitos e deveres relacionados a cada um desses papéis. No papel de consultor/assessor, o advogado pode e deve instruir juridicamente seu cliente, pois suas prerrogativas são mantidas e integralmente respeitadas. Quando assume o papel de parte, o advogado deve entender a dinâmica da mediação, para ter consciência de que nessa função não lhe cabe considerações jurídicas que defendam única e exclusivamente a posição do cliente, os interesses e as necessidades devem ser trazidos da melhor maneira possível. Quanto ao papel de mediador que o advogado pode assumir, esse deve se pautar na qualificação, nas éticas e regras que o procedimento exige, deixando-se de lado a essência da advocacia em si.

Sumário

1. Introdução - 2. O advogado como consultor e/ou assessor jurídico - 3. O advogado como parte - 4. O advogado como mediador facilitativo - 5. Considerações finais - 6. Referências bibliográficas

  • A escolha consciente pelo advogado de seu papel na mediação
  • A escolha consciente pelo advogado de seu papel na mediação

Compartilhe:

RANZOLIN, Ricardo (org.). Arbipedia. Comentários à Lei Brasileira de Arbitragem. Arbipedia, Porto Alegre, 2024.
Acesso em: 22-05-2024. Disponível em: https://arbitpedia.com/conteudo-exclusivo/9528-a-escolha-consciente-pelo-advogado-de-seu-papel-na-mediacao.html?category_id=3562

Todos os direitos reservados a Arbipedia. Termos de Uso. Política de Privacidade.
Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido sem citação da fonte arbipedia.com
Coordenação Ricardo Ranzolin